segunda-feira, 28 de abril de 2014

Smash Literário em Abril!

   Continuando o Projeto do Smash Literário, aqui estão minhas páginas do mês de abril.
   A primeira, falando sobre uma série favorita. Não é A favorita, pois tenho muitas, gosto de Rick Riordan (Percy Jackson e os Olimpianos, Os Heróis do Olimpo, As Crônicas dos Kane), gosto de James Rollins e sua fantástica Força Sigma, tem o Joseph Delaney, com As Aventuras do Caça Feitiço e muitas outras, que, se for citar aqui o post fica imenso.
   Portanto, simplesmente escolhi a última que li, Divergente, da Veronica Roth. A série conta a trajetória de Tris, uma menina de 16 anos, que resolve romper com as tradições familiares e seguir um caminho diferente (nessa idade, quem nunca?). O final é bem elaborado e inesperado, embora seja coerente com a série. Por isso escolhi essa para fazer a página. Coloquei alguns trechos que gostei, para ilustrar um pouco o espírito da série. E fiquei super feliz e meio espantada ao descobrir que a autora tem apenas 27 anos! É... tô ficando velha mesmo...


   Para a segunda meta desse mês (Tema 7) teríamos que escolher um livro de um autor nacional. Logo eu, que tenho paixão por vários! Aí resolvi ler o livro de uma menina novinha, primeiro livro, indicado no Skoob, etc. e tal. Cara, que furada. Terminei de ler o livro a tapa. Não que seja ruim, mas...
   Bom, eu tinha que resolver a meta. Aí me deparei com o e-book de um livro que tinha lido na minha adolescência, anos 80, que era meio obrigatório na época: Feliz Ano Velho, de Marcelo Rubens Paiva. Resolvi reler.    Impressionante como suas reações mudam com o tempo! Na época pensei no engajamento político, na força do cara em dar a volta por cima, etc. etc. etc. Agora, pensei em como a mãe dele se sentiu, filho único, etc. etc. Resultado: o que fazer nessa página? Não saiu muito bonita não, mas saiu bem como eu me sinto em relação ao assunto hoje. Se fosse meu filho, acho que ficaria muito mais desesperada do que a mãe dele ficou. Mas o pessoal que lutou contra a ditadura era feito de outro material, mais forte que eu, talvez. Ou talvez não, quem pode dizer? Só sei que ficaria muito mal mesmo.

   
   Bom, é isso. Espero que gostem e desculpem a crítica literária. Aguardem novas postagens sobre o assunto, pois os próximos temas prometem!
   Até mais amiguinhos!